Cultura do estupro

Tempo de leitura: 3 minutos

alt="cultura do estupro"

O que é uma “Cultura de Estupro“?

Comportamentos comumente associados com a cultura do estupro incluem culpabilização da vítima, objetificação sexual, trivialização do estupro, negação de estupros, recusa de reconhecer o dano causado por algumas formas de violência sexual, ou alguma combinação entre esses comportamentos.

A noção de cultura do estupro foi usada para descrever e explicar comportamento dentro de grupos sociais, incluindo estupros dentro de prisões, e em áreas de conflito onde estupros de guerra eram usados como arma psicológica. Sociedades inteiras foram acusadas de possuir uma cultura de estupro

Ela está correlacionada com outros fatores e comportamentos sociais. Há evidências de que mitos sobre estupro, a culpabilização da vítima e a trivialização do estupro estão correlacionadas com racismo, sexismo, homofobia, classismo, intolerância religiosa e outras formas de discriminação.

Mas no Brasil há essa “Cultura do Estupro”?

Adotou-se essa “Cultura” dentro dos presídios, onde homens violentos não aceitam esse tipo de crime contra a mulher, assim, o estuprador acaba sendo isolado para não sofrer violência. Se houvesse essa Cultura em nossa sociedade não haveria esse tipo de comportamento lá dentro.

A Cultura tem mais a ver com a criação machista que nossos filhos estão tendo. Onde são incentivados a serem “pegadores” e “machos”,

É o pai que chama o filho adolescente e diz “Olha lá que gostosa filho!”…

É o namorado que exige uma “prova de amor” mesmo quando a menina não está pronta para sua primeira relação sexual…

É o marido que promove um “relacionamento abusivo” quando exige certas práticas sexuais que não estão de acordo com a aceitação da parceira…

É o amigo que faz piadinhas machistas deixando-a constrangida na frente de todos…

É o professor do colegial ou da faculdade que compartilha comentários maldosos das alunas com os meninos…

É um desconhecido que fala coisas obscenas como se você fosse apenas um objeto sexual…

É uma mulher separada não poder sair sozinha porque vão achar que está procurando macho pra transar…

Esses homens não são estupradores de acordo com a lei, mas propagam a “Cultura do Estupro” entre eles.

A Música e a Cultura do Estupro

Enquanto antigamente a Mulher era retratada assim:

Tu és divina e graciosa, estátua majestosa
Do amor, por Deus esculturada
E formada com ardor
Da alma da mais linda flor de mais ativo olor
Que na vida é preferida pelo beija-flor
Se Deus me fora tão clemente aqui neste ambiente
De luz, formada numa tela deslumbrante e bela
Teu coração, junto ao meu lanceado
Pregado e crucificado sobre a rósea cruz do arfante peito teu…”

Hoje um “Ai se eu te pego” ou a letra “Abre essas pernas” do grupo “Velhas Virgens” pregam a banalização da mulher.


“Abre essas pernas pra mim, baby
Tô cansado de esperar
Você dá pra todo mundo
Só pra mim que você não quer dar
Esse papo de pele e química
Não tem nada a ver
Não é filme, nem novela
É só sexo, eu e você
Já deixei você nua em pêlo
E na hora você deu para trás
Então abre essas pernas pra mim, baby
Pra aprender como é que se faz…”

É muito triste. Cabe a nós, pais e mães, educarmos nossos filhos para a Cultura do Respeito e admiração pelas mulheres que são nossas progenitoras.

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *